A crescente presença feminina na carreira médica é nítida ainda na evolução da distribuição por sexo ao longo do último século. De acordo com o estudo Demografia Médica no Brasil 2020, feito em conjunto pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) e a Universidade de São Paulo (USP) compartilhado com o Conselho Regional de Medicina de Rondônia (Cremero), a partir dos anos 1970, as mulheres ampliaram sua participação e passaram de 15,8% em 1970 para 46,6% em 2020.

A análise dos novos registros de médicos nos CRMs entre 2000 e 2019 também ilustra a evolução da participação das mulheres na Medicina. “Há cinco anos, na pesquisa de 2015, médicos homens somavam 57,5% do total, e as médicas, 42,5%. Trinta anos atrás, em 1990, as mulheres eram apenas 30,8%. Nos grupos de médicos com idades até 34 anos, as mulheres já são maioria, em 2020”, apontou o professor Mário Scheffer, da Universidade de São Paulo (USP), que coordenou o desenvolvimento do trabalho.

Para o presidente do Cremero, Dr. Robinson Machado, a presença da mulher vem inclusive nas especialidades antes dominadas pelos homens, como a ortopedia. “As mulheres vem quebrando todas as barreiras do preconceito e mostrando que não só podem, como já estão em todos os lugares que se identificam. Nós homens temos sempre muito a aprender com o olhar feminino, sua visão diferenciada por um instinto que não conseguimos acompanhar. Na medicina, a sensibilidade da mulher médica tem feito toda a diferença desde as que optam por se dedicar a pesquisas e ciência, até as que se doam pela assistência direta ao paciente”, afirmou Dr. Robinson Machado.

 

dia da mulher

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.