A presidente do Conselho Regional de Medicina de Rondônia, médica Maria do Carmo Wanssa, anunciou, nesta sexta-feira, 8, o início da programação de fiscalização nos hospitais e clínicas para este ano e a retomada do programa ‘Cremero Itinerante’, que consiste em levar diretoria e conselheiros do CRM para determinado município, onde se realiza debates sobre os problemas da saúde com a população e com a classe médica da região. Os trabalhos devem começar ainda neste mês de fevereiro.

Apesar de não apresentar resultados imediatos, posto que a atuação do Cremero fica no campo da recomendação e do envio de informações técnicas aos órgãos de controle, a diretoria do CRM-RO entende que é um trabalho da maior relevância, porque subsidia o Ministério Público e a Justiça na adoção de providências coercitivas contra os maus gestores. “Nossos relatórios técnicos também são encaminhados às Câmaras de Vereadores, que em tese tem a obrigação de fiscalizar as ações do Executivo, mas nunca presenciamos a tomada de atitude por nenhuma Câmara dos municípios que fiscalizamos”, constata, com ar de frustração, a presidente do Cremero.

Mas nem tudo está perdido nesse jogo de faz de conta dos políticos. Os relatórios do Cremero, ignorados pelos vereadores e pelos gestores da Saúde, servem como informações valiosas que embasam as ações do Ministério Público para obrigar com ações na Justiça aos prefeitos a fazer aquilo para que foram eleitos e que é um direito da população: uma saúde de qualidade.

Caso de Cacoal

É o que vem acontecendo na cidade de Cacoal –  cerca de 410 quilômetros da capital, Porto Velho -, onde o Ministério Público de Rondônia entrou com ação na Justiça e obteve liminar obrigando o prefeito a transferir a unidade de saúde para um local menos indigno, com um mínimo de estrutura. Em novembro do ano passado, há cerca de três meses, o Cremero inspecionou a unidade mista de Saúde do município e produziu relatório técnico recomendando ao Prefeito e ao secretário de Saúde do Município a adoção de providência para, no mínimo, mitigar os vários problemas verificados no hospital.

Na ocasião, os conselheiros e diretores do Cremero também fiscalizaram o Hospital Regional de Cacoal, quando foram constatados falta de profissionais para atendimento ao público e também falta de medicamentos básicos.

Se o Ministério Público passar a atuar da forma como vem atuando em Cacoal, em ralação ao setor de saúde, muitos prefeitos podem se preparar para assumir responsabilidades que vem sendo negligenciadas para com a população, observa a presidente do (Cremero), ao elogiar decisão da Justiça em ação movida pelo MP, determinando ao prefeito Padre Franco a imediata transferência do local onde funciona a Unidade Mista de Saúde , com o Pronto Socorro e o Hospital Materno-Infantil.

“Essa unidade de saúde é um atentado à dignidade humana, tanto das pessoas que para ali se deslocam a procura de atendimento médico, quanto para os médicos e outros profissionais da saúde que ali trabalham. E o Conselho Regional de Medicina há muito tempo vem apontando esses problemas em seus relatórios de fiscalização”, reitera Maria do Carmo, acrescentando que, infelizmente, se faz necessário a interferência do Ministério Público e do Poder Judiciário para que aqueles que foram eleitos pelo povo para cuidar da saúde, cumpra com suas obrigações.

Assessoria de Imprensa Cremero

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.