A Unidade de Pronto Atendimento encontra-se sem médicos suficientes para os atendimentos, sem remédios e com problemas estruturais

O Conselho Regional de Medicina de Rondônia (Cremero), juntamente com o Ministério Público (MP-RO) e com o Conselho Regional de Enfermagem (Coren-RO), realizou, no último final de semana, uma fiscalização na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Zona Leste. A ação se deu por conta de denúncias feitas contra o estabelecimento, que apontam para a falta de efetivo suficiente de médios plantonistas para os atendimentos, o que causa grandes filas de espera que se formam com os pacientes.

 

upa2 

 

“Os problemas que foram relatados para nós foram confirmados. Havia uma grande quantidade de pessoas para os atendimentos e apenas dois médicos trabalhando, o que fica impossível de atender a população de modo geral”, ressaltou o vice-presidente do Cremero, Cleiton Bach.

No dia da visita, havia apenas dois médicos trabalhando no local. “Toda sexta-feira é isso que acontece, ou seja, é um caos. Nós sofremos ameaças por parte dos pacientes o tempo todo. Tem médicos que estão de atestado por causa do estresse psicológico”, afirmou o plantonista, Matheus Basso.

Segundo o diretor da UPA, Celso Rogério de Araújo, ocorre uma grande dificuldade para a contratação de novos médicos para o local. “Só neste ano de 2014, já perdemos 44 médicos e no ano de 2013 foram 56 doutores que pediram exoneração”.

Com tantos problemas relacionados à falta de médicos plantonistas, a população chega a esperar cerca de oito horas à procura de atendimento. Selma Nobre é um exemplo vivo dessa demora. No momento da fiscalização, ela já estava há cerca de quatro horas atrás de atendimento para a filha, de apenas 10 anos, que queixava de dor de cabeça. “Nós demoramos demais para sermos atendidos. É revoltante”, enfatizou veemente.

O secretário municipal de saúde, Domingos Sávio, que esteve presente durante a fiscalização, firmou o compromisso com o Cremero de contratar novos médicos em até 60 dias para ficar com um contingente de pelo menos seis plantonistas por turno.

Falta de estrutura e medicamentos da UPA

Além da questão relacionada ao número de médicos plantonistas, a fiscalização realizada pelo Cremero também analisou outros quesitos ligados à estrutura da UPA, como as condições dos laboratórios, consultórios, salas para procedimentos cirúrgicos, sala para depósito de material clínico, entre outros.

Outra denúncia apurada foi sobre a falta de medicamentos. O conselheiro do Cremero, Jorge Amado, responsável pela fiscalização realizada, apurou que a Unidade de Pronto Atendimento realmente encontra-se em defasagem de estoque. “Falta Buscopan, AAS, anti-hipertensivo e até adrenalina”. 

O conselheiro também constatou que nas salas de consultório falta material de higiene como álcool, luvas e equipamentos para exames clínicos, além da limpeza da UPA que é realizada em horários inapropriados.

O presidente do Cremero, Rodrigo Almeida, também relatou que o ventilador artificial utilizado para o salvamento de vidas estava com defeito. “Ainda podemos observar a utilização de lâmina de papel sobre os colchões dos leitos, por causa da ausência de lençóis descartáveis e cobertores, ficando os pacientes descobertos”, enfatizou.

Fonte: Assessoria

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.