Rede dos Conselhos de Medicina
Cremero destaca apontamentos graves em funcionamento de UPAs na capital


Durante coletiva de imprensa realizada na tarde desta terça-feira (23), em Porto Velho, o Conselho Regional de Medicina do Estado de Rondônia (Cremero), através do Departamento de Fiscalização, apresentou em detalhes as irregularidades encontradas nas UPAs da Zona Leste e Sul da capital. Apesar da UPA Sul se tornar ponto de referência de COVID-19, a UPA Leste absorveu a demanda e, no momento da vistoria, apresentou atendimento exclusivo de pacientes com suspeita de COVID-19. A classificação tem sido feita apenas identificando entre fichas amarelas e vermelhas. Chama atenção a falta de medicamentos essenciais para a manutenção de pacientes em estado de internação, bem como alguns da farmácia básica.

De acordo com o médico fiscalizador, Dr. Lucas Levi Sobral, nota-se o baixo número de profissionais para assistir aos pacientes internados. “Na UPA Zona Leste especificamente, visitada nesta segunda-feira (22), havia no momento, disponíveis o número de 36 leitos. Porém alguns eram macas ou cadeiras improvisadas. Em média, cinco (05) médicos para cada jornada de trabalho em regime de plantão, contudo, a setorização da unidade não permite supervisão constante em todos os campos pelos médicos”, destacou.

Semelhante ao encontrado na fiscalização do dia 11 de março na Zona Sul, a UPA Leste também se transformou em unidade de terapia semi-intensiva e da mesma forma não há respeito da distância entre leitos de 2,0 metros, não há a presença de profissional fisioterapeuta e nem mesmo de assistência nutricional e terapia nutricional. “O que existe são fisioterapeutas voluntários de instituições de ensino, e que não conseguem atender toda a demanda. Quanto à terapia enteral e parenteral, os familiares deixam alimentos na unidade para cada paciente, havendo doações insuficientes para as necessidades”, acrescentou o presidente do Cremero, Dr. Robinson Machado.

Providências

Em resumo, tanto a UPA Leste quanto a Sul se faz urgente a necessidade de correção das irregularidades, visto a fragilidade da dinâmica de atendimento e escala de profissionais reduzida.

Como em todas as fiscalizações, o relatório foi encaminhado à Secretaria Municipal de Saúde de Porto Velho (SEMUSA) e ao Ministério Público do Estado de Rondônia (MP-RO). “A partir do recebimento, eles têm cinco dias para responder às recomendações. E a partir disso, 30 dias executar as adequações. Nossa preocupação se soma ao agravamento de todos esses fatores somados ao momento de pandemia em que todos recursos e insumos têm sido escassos e buscados por todo o país”, finalizou o Dr. Robinson Machado.

A coletiva foi transmitida e está disponível na íntegra no Instagram @cremero.oficial.

fiscalupazonaleste 1

fiscalupazonaleste 2

fiscalupazonaleste 4

fiscalupazonaleste 6

 

 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
j-scatvids.club